segunda-feira, 21 de junho de 2010

Não vou repetir, ócio não é pra mim.

Já disse e não vou repetir, ócio não é pra mim.

"Ainda pior que a convicção do não e a incerteza do talvez é a desilusão de um quase.
É o quase que me incomoda, que me entristece, que me mata trazendo tudo que poderia ter sido e não foi.
Quem quase ganhou ainda joga, quem quase passou ainda estuda, quem quase morreu está vivo, quem quase amou não amou.
Basta pensar nas oportunidades que escaparam pelos dedos, nas chances que se perdem por medo, nas idéias que nunca sairão do papel por essa maldita mania de viver no outono.
Pergunto-me, às vezes, o que nos leva a escolher uma vida morna; ou melhor não me pergunto, contesto. A resposta eu sei de cór, está estampada na distância e frieza dos sorrisos, na frouxidão dos abraços, na indiferença dos "Bom dia", quase que sussurrados. Sobra covardia e falta coragem até pra ser feliz.
A paixão queima, o amor enlouquece, o desejo trai.
Talvez esses fossem bons motivos para decidir entre a alegria e a dor, sentir o nada, mas não são. Se a virtude estivesse mesmo no meio termo, o mar não teria ondas, os dias seriam nublados e o arco-íris em tons de cinza.
O nada não ilumina, não inspira, não aflige nem acalma, apenas amplia o vazio que cada um traz dentro de si.
Não é que fé mova montanhas, nem que todas as estrelas estejam ao alcance, para as coisas que não podem ser mudadas resta-nos somente paciência porém, preferir a derrota prévia à dúvida da vitória é desperdiçar a oportunidade de merecer.
Pros erros há perdão; pros fracassos, chance; pros amores impossíveis, tempo.
De nada adianta cercar um coração vazio ou economizar alma. Um romance cujo fim é instantâneo ou indolor não é romance.
Não deixe que a saudade sufoque, que a rotina acomode, que o medo impeça de tentar.
Desconfie do destino e acredite em você. Gaste mais horas realizando que sonhando, fazendo que planejando, vivendo que esperando porque, embora quem quase morre esteja vivo, quem quase vive já morreu."
(L. F. Veríssimo)


Sou uma daquelas pessoas que acreditam em correr atrás e realizar, ao invés de sentar e esperar a vida acontecer - acredite: normalmente nada acontece com você sentado, esperando. Acredito em trabalho pesado, em dedicação e esforço, em força e determinação. Sou daquelas que acreditam que nada vêm de graça, nada acontece por acaso, e Papai Noel não existe.

Milagres não existem.

Sou daquelas que pedem pra Deus dar uma forcinha, sim, mas que não ficam paradas esperando que ele faça todo o serviço e que fazem mil coisas ao mesmo tempo, mas que sempre tentam fazer o melhor, mesmo que saia uma merda, no fim.

Sou uma daquelas pessoas que dão murros em pontas de facas e cabeçadas nas paredes, mas que vão em frente, provam que estavam certas, que podiam, que deviam,... e fazem o que tinham que fazer.

Sou uma daquelas pessoas teimosas. Que insistem em provar que podem fazer algo pra ajudar, que podem se esforçar, conseguir, fazer a diferença.

Sou daquelas que querem fazer a diferença, que não querem passar pelo mundo, viver e morrer, sem nunca serem notadas. Que quer, posteriormente, ser lembrada como alguém que fez valer a pena cada projeto, ideia, sentimento, laço ou fita em que se envolveu.

Também sou uma daquelas pessoas que não têm mais medo de serem chamadas de loucas por dispensarem lazer ou descanso em prol de algo que nem era mesmo problema delas.

Sou uma daquelas pessoas que adoram problemas. E, ainda mais, gostam de provar que eles são pequenos e fracos, menos inteligentes e audaciosos. Sou uma daquelas pessoas que acham que podem encontrar soluções para todos os problemas, mesmo que para isso tenham que dormir tarde e acordar cedo, escrever e planejar, quebrar a cabeça, se preocupar.

Sou daquelas pessoas que não se importam de correr atrás: dos direitos, dos prejuízos, dos lucros, do sucesso, porque sou daquelas pessoas que saberm que cada vitória depende somente da nossa vontade de conseguir - sou daquelas que sabem que é a última repetição que te diferencia de todos os frangos que "treinam" com você.

E se querem saber, sou daquelas pessoas que sabem olhar o outro. E sou daquelas pessoas que conseguem ser feliz, mesmo com muita coisa pra fazer.

Já disse e não vou repetir, ócio não é pra mim.

Beeijos, Jaqueline.

P.S.: e sou uma daquelas pessoas que vão fazer das tripas coração, mas que vão conseguir um terreno pra construção da sede da AMVV.

3 comentários:

Jaqueline Defendi Rosa disse...

TESTANDO

Jaqueline Rosa disse...

TESTANDO 2 - NOME/URL

Anônimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.